sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Uma nova fase – Destralhando a vida no #Minimalismo

Passei por uma fase na vida que me fez rever certas situações e coisa, e cheguei numa conclusão... nunca ter tantas coisas me incomodou tanto, como anda me incomodando atualmente.
Fico olhando ao redor e o quarto extra (o que seria do bebê um dia) em minha casa, e fico assustada com as coisas que tenho entulhadas, dentro de caixas ou expostas.
Tentei ler o livro da famosa Marie Kondo, que nos ensina sobre como desapegar dos excessos da vida, mas devido alguns problemas de tempo (desculpinha esfarrapada) não consegui seguir com a leitura e não fui convertida por essa mágica, porém, há vários vídeos no youtube que nos ajuda a desentulhar nossa vida. Mulheres que aderiram a vida minimalista de maneira natural e gradativamente no dia a dia.
Não quero levar ao pé da letra o que Marie Kondo prega em seu livro com relação ao que me faz feliz, ou não e blá blá blá... Tudo me faz feliz... se tem uma coisa que me faz feliz é a simplicidade das coisas... mas enfim, eu sInto no fundo que tenho que começar a me desapegar das coisas.
Comecei de forma sutil... primeiro com alguns sapatos e depois com algumas bolsas... fui doando, para prima, cunhada, sogra... depois parti para alguns livros que doei para amigos, devolvi alguns que estavam emprestados comigo também.
E então percebi que não parecia o suficiente, eu ainda sinto que minha casa está entulhada, que tenho coisas demais, coisas que eu trouxe da minha adolescência, de quando ainda morava com a minha mãe. E por fim, estou tentando aderir por completo a vida minimalista, onde tentarei me desapegar de 60% dos excessos que ainda tenho em casa. E por quê não 100% dos excessos? Porque temos que ir aos poucos para não assustar, neah?! Para não dar a louca... kkkkkkkk
Não será uma tarefa muito fácil, mas sei também que não é uma tarefa impossível. A missão desse fim de ano está em andamento e aos poucos, trabalho em minha cabeça, imaginando o que realmente é necessário para se viver, e o que eu não sinto falta. A meta é iniciar 2017 com o mínimo do que já tenho.

Um dos maiores motivos dessa nova opção de vida, é que moro de aluguel, ou seja, em breve me mudo para uma outra casa, de aluguel ou própria (vários planos) e o processo de encaixotamento tende a ser pior com o excesso de coisas. Sem contar que, de casa em casa (essa já é a terceira que moro desde que me casei), ficar levando as mesmas coisas anda me irritando muito. 
Então é isso... o jeito é tentar, e estou bem animada com essa nova possibilidade de mudar de vida.




Nenhum comentário:

Postar um comentário